21 de abril de 2018

   
 O Jornal   |   Contato
 
Pelo Estado
21/12/2017
MP apura suspeita de irregularidade na Operação Veraneio em SC

Foto: divulgação

 

 

 O Ministério Público instaurou um procedimento para apurar suposta irregularidade na organização da Operação Veraneio — que inicia nesta sexta-feira ( 22) e vai até 4 de março de 2018. O MP quer saber por que a Polícia Militar de Santa Catarina está prevendo deslocar 62 policiais para ficarem à disposição do subcomando-geral da corporação, em Florianópolis.

“Chegou ao conhecimento desta Promotoria de Justiça, que o subcomandante-geral da PMSC, deixará à sua disposição, cerca de 60 policiais militares (praças) e 2 (dois) Tenentes (oficiais), para emprego dele mesmo, na forma que entender conveniente”, diz o procedimento.

A 40ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital relata no procedimento assinado pelo promotor Raul Rogério Rabello, que recebeu a informação de que seriam destacados dois pelotões de 30 soldados e cabos e um sargento da 2ª Região da PM (Lages) e da 7ª Região da PM (Blumenau) para a função.

“Frisa-se que, em tese, os pelotões destacados integrarão a reserva técnica do subcomando- geral da Polícia Militar de Santa Catarina, sendo alojados, a priori, nesta cidade e comarca (Florianópolis), visando o emprego em ações específicas a critério do subcomando-geral, podendo ser empregados também em outras localidades”, anotou o promotor.

O subcomandante-geral, coronel Araújo Gomes, confirma que ordenou a criação da reserva técnica durante a Operação Veraneio. Segundo ele, houve uma mudança de estratégia, uma vez que o efetivo ficará disponível para se deslocar pelo Estado conforme as demandas criminais ou por conta do aumento do fluxo de turistas em determinados lugares .

— Foi uma mudança de estratégica. Como há mudança no perfil de criminalidade em termo de deslocamento dos focos com a mancha criminal, e as nossas ferramentas de estatística estão aperfeiçoadas, uma parte do efetivo fica disponível para realizar operações pontuais — disse Gomes.

Como os policiais se apresentam a partir de sexta-feira, durante as festas de Natal e Ano Novo, a reserva técnica deve ficar em Florianópolis. Segundo Gomes, os policiais podem ser deslocados para outras regiões assim que houver necessidade.

— Se houver aumento de roubos em Camboriú, por exemplo, eles podem ser deslocados para lá. Se o movimento de turistas na região da Costa Esmeralda for maior do que o previsto, eles podem reforçar o policiamento lá. Eles não estão à minha disposição e sim à disposição do subcomando, que é responsável pela parte operacional — completou o subcomandante.

Um ofício foi encaminhado ao comando-geral da Polícia Militar, que tem um prazo de dez dias para responder se a informação é procedente, se a situação é recorrente, onde ficarão alojados os policiais destacados para a operação, quem os comandará, qual será o trabalho realizado por eles e se receberão o pagamento de diárias. O mesmo ofício foi enviado à Secretaria de Segurança Pública. 

Mais de 10,5 mil profissionais de segurança estão escalados para trabalhar em 61 cidades do Estado. Pelo menos R$ 33 milhões devem ser investidos com pagamento de diárias, alimentação e salário de guarda-vidas civis. Só a PMSC vai atuar em 146 praias de 52 municípios. O efetivo empregado é de cinco mil PMs (metade da corporação).

O coronel disse ainda que, além da reserva técnica, a Operação Veraneio tem outras duas novas estratégias. Uma delas é uma base permanente montada em Dionísio Cerqueira, na fronteira com a Argentina, para controlar a entrada e saída de veículos. A outra é uma parceria com policiais argentinos da Província de Misiones, que vêm à Santa Catarina para ajudar na comunicação com os turistas do país vizinhos que eventualmente se envolverem em demandas de segurança. 



Fonte: MPSC


comentrios

Sem comentrios, adicione o seu!

Deixe seu comentrio sobre esta notcia:
De:
Comentrio:
   
 
notcias relacionadas

Publicidade


© 2011 JORNAL O MUNICIPIO - Todos os direitos reservados - Produzido por